Umbra-Projekt

umbratic aesthetics



 Biografia de Edgar Franco

Nascido a 20 de setembro de 1971, em Ituiutaba, Minas Gerais, os quadrinhos entraram cedo na vida de Edgar Franco. Aos 12 anos publicou sua primeira HQ em um fanzine, desenvolvendo um amor constantemente renovado por esta forma de expressão. Graduou-se em arquitetura e urbanismo na Universidade de Brasília (UnB), onde iniciou suas pesquisas sobre a linguagem dos quadrinhos e suas interfaces com a arquitetura, anos depois o avanço dessa pesquisa veio a resultar no livro “História em Quadrinhos e Arquitetura”, publicado pela editora “Marca de Fantasia” em 2004.
Em seu mestrado em Multimeios na Unicamp estudou as HQs na Internet, batizando essa linguagem híbrida de quadrinhos e hipermídia de HQtrônicas (histórias em quadrinhos eletrônicas), pesquisa que serviu como base para o livro “HQtrônicas: Do Suporte Papel à Rede Internet”, publicado em 2005 pela parceria entre as editoras “Annablume” e a “FAPESP”. Em 2006 concluiu o doutorado em Artes na ECA/USP, e é professor dos cursos de Arquitetura e Urbanismo & Ciência da Computação da PUC-MG (Unidade Poços de Caldas).
Como pesquisador de histórias em quadrinhos e arte-tecnologia já teve diversos artigos publicados em revistas e livros e tem apresentado suas pesquisas, há mais de oito anos, em congressos como Intercom, Lusocom, Compós e SBPC. Sua pesquisa de doutorado, Perspectivas Pós-Humanas nas Ciberartes, foi premiada no programa Rumos Pesquisa 2003 do Centro Itaú Cultural em São Paulo.
Como ilustrador e quadrinhista possui dezenas de páginas publicadas em revistas do Brasil e exterior como: Quadreca, Brasilian Heavy Metal, Nektar, Metal Pesado, Quark, Fêmea Feroz, Ervilha, Mephisto (Alemanha), Dragon's Breath (Inglaterra), Ah, BD! (Romênia), além dos álbuns solo Agartha, Transessência e Elegia, publicados pela Marca de Fantasia, e de BioCyberDrama, em parceria com Mozart Couto, editado pela Opera Graphica.
Franco tem também experimentado criar trabalhos para suportes hipermidiáticos, entre eles as HQtrônicas “Ariadne e o Labirinto Pós-Humano”, participante da Mostra de Artes - Sesc SP/2005 e “NeoMaso Prometeu”, que recebeu menção honrosa no 13º Videobrasil - Festival Internacional de Arte Eletrônica (Sesc Pompéia/2001). Também é autor do projeto musical industrial/ambient “Posthuman Tantra”.

http://infernoticias.blogspot.com/2007_10_01_archive.html



Entrevistas:

Você pode saber mais sobre Edgar Franco, seus trabalhos e projetos, lendo as entrevistas que concedeu para os sites:
Site “Alliance of Thorns”: eu esclareço as motivações e conceitos que engendram minha música & arte:
http://www.radioaot.com/index.php?pagina=38
“Blog Dos Quadrinhos” (Jornalista Paulo Ramos - Folha de São Paulo): Título: “Tese Analisa Como Seriam as Artes no Futuro” (para visualizá-la corra a barra de rolagem até dia 5/09/2006):
http://blogdosquadrinhos.blog.uol.com.br/entrevista/
“Joacy Jamys”: Joacy Jamys entrevista Edgar Franco - sobre HQB, HQ alternativa e autoral e sobre as HQtrônicas:
http://www.joacyjamys.com.br/entrevistas_edgarfranco.htm
“Metalvox”: Entrevista ao site de música Metalvox: Edgar Franco fala a respeito de seus projetos musicais “Posthuman Tantra & Posthuman Worm”:
http://www.metalvox.com.br/entrevistaedgarfranco.asp
“Alan Moore Senhor do Caos”: Entrevista concedida a José Carlos Neves - "Edgar Franco: O Filósofo das HQs":
http://www.alanmooresenhordocaos.hpg.ig.com.br/entrevistas69.htm
“Areia Hostil”: Entrevista concedida a Débora Lucas – “Sobre HQ Autoral & Hqtrônicas”
http://www.areiahostil.com.br/zonalivre/Entrevistas/edgar_franco/en...

Sites do Artista:
Você também pode acessar o site pessoal, o fotolog do artista, a HQtrônica "NeoMaso Prometeu" e o site do projeto musical “Posthuman Tantra”:
Fotolog : www.fotolog.net/edgar_franco
NeoMaso Prometeu (HQtrônica que recebeu menção honrosa no Festival Videobrasil):
http://www.cap.eca.usp.br/wawrwt/neomaso/index.html
Posthuman Tantra: http://www.posthumantantra.legatusrecords.net/
Posthuman Tantra no Myspace (ouça 4 faixas): www.myspace.com/posthumantantras
Comunidade Orkut do POSTHUMAN TANTRA: http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=32945678
Ritualart (site pessoal - HQs, Entrevista, Ilustrações, poemas - está desatualizado a nova versão está sendo desenvolvida):
www.ritualart.net




Views: 108

Reply to This

Replies to This Discussion

ENTREVISTA COM EDGAR FRANCO (POSTHUMAN TANTRA) POR E. KERVAL –
PARA O “PANORAMA JOURNAL”, da Colômbia – veículo especializado em arte, metafísica e transcendência.

A entrevista a seguir foi conduzida por mim (E. Kerval) com o propósito de informar a todos sobre as visões criativas de um dos mais importantes projetos de música ambiente/experimental da América do Sul e de todo o Planeta!!!
(Leia a entrevista original em inglês: http://www.panoramajournal.blogspot.com/ )

1- KERVAL: Meus cumprimentos Edgar, e deixe-nos explorar a estrutura futurística do POSTHUMAN TANTRA. Nós poderíamos dizer que existe uma dimensão pós-humana para onde converge a sua visão de novas formas de vida desenvolvidas através de manipulação genética, clonagem e hipertecnologia, isto funcionaria como uma ambientação para a busca de níveis superiores de consciência que devemos explorar objetivando transcender a partir de seu universo?

Edgar Franco: A tecnologia pode ser algo soberbo se puder aliar-se aos aspectos transcendentes da essência universal que existe no seio da espécie humana. A completa hibridação entre homem, máquina, animal e vegetal não deve ser encarada apenas de um ponto de vista apocalíptico, é bem verdade que se essa hibridação ocorrer apenas como um fruto podre do sistema monetarista de lucros das grandes multinacionais (as verdadeiras bestas apocalípticas dos novos tempos) teremos realmente um cenário de colapso. Infelizmente muitas biotecnologias estão sendo desenvolvidas para disseminar organismos vivos patenteados e estéreis, uma subversão egoísta do verdadeiro caráter mágico da biotecnologia: a busca transcendente de um mito ômega! Hibridizar-nos a outras espécies para voltarmos a compreender que estamos realmente conectados a Gaia. Todas as demais espécies vegetais e animais são sangue do nosso sangue, as bases de nucleotídeos (Adenina, Guanina, Citosina e Timina) que compõem a vida na Terra são as mesmas para todas as criaturas. Somos todos um único organismo que está ligado pelo cordão umbilical chamado Gaia ao Universo!
A tecnologia pode ser um dos canais para a reconciliação com nossa essência cósmica. Eu creio na possibilidade da “singularidade”: o momento de convergência tecnológica que fará emergir uma nova humanidade - a pós-humanidade – abandonando os valores egóicos e limitantes da velha humanidade, promovendo o salto quântico, a transcendência quântica.

2- Podemos observer que a hibridização através da manipulação genética entre humanos e outras formas de vida orgânica compõem boa parte de sua expressão artística. De que maneira essa concepção visual representa sua própria natureza a partir de uma perspectiva visionária? Você imagina esse processo de hibridização em um futuro não muito distante?

De forma intuitiva, desde a minha infância, eu sempre desenhei criaturas híbridas. Acredito que ao hibridizar em um ser características humanas e de diversos animais e vegetais estou dizendo iconograficamente que todos somos iguais e importantes, estou colocando nossa espécie em visceral conexão com as demais e não só com as espécies vivas de nosso planeta mas com inúmeras outras espécies cósmicas que vislumbro em meus transes artísticos. Para o bem, ou para o mal, a transgenia se realizará, já existem dezenas de animais trangênicos e até uma ovelha com 15% de genética humana foi criada. Eu vislumbro o momento em que a biotecnologia nós dará a possibilidade de nos transmutarmos em seres míticos como sereias ou centauros! E esse momento não será tão distante se pensarmos no crescimento exponencial dos avanços tecnocientíficos, cientistas e visionários como Ray Kurzweil e Hans Moravec acreditam que esse processo terá início dentro dos próximos 30 anos.
As minhas imagens híbridas fluem diretamente do inconsciente universal, portanto creio que traduzam simbolicamente mensagens da estrutura cósmica.

3- De que maneira a exploração de diferentes facetas de sua consciência artística através da música, das artes visuais, da web arte, da magia e de outras formas de desconstrução das realidades interiores ajudam-no a criar um expressionismo futurista eclético e visionário, que obviamente reflete em sua existência e na do POSTHUMAN TANTRA também?

Vivemos em um mundo corrompido pelos dogmas, dogmas de toda natureza: étnicos, religiosos, culturais, sociais, morais e até dogmas artísticos! O sistema cartesiano ensina nas pseudo-universidades do globo que devemos dedicar-nos a apenas uma atividade – devemos agir como máquinas unifuncionais, repetindo sempre a mesma atividade pela vida afora, tornarmos-nos especialistas enfadonhos e vazios. Assim se você desenha deve só desenhar, se toca música deve só tocar, se esculpe deve só esculpir, esse é um reducionismo alienante e doentio, uma forma de apodrecer o espírito das pessoas mais rápido, robotizá-las e desviar o foco da felicidade para o “ter” e não para o “ser”, torná-las obcecadas por consumir, desviar delas o prazer de fazer e conhecer o novo pelo prazer de obter objetos. A felicidade do ter obstruindo o ser! Veja que grandes artistas, verdadeiros alquimistas da arte, como Dali, Da Vinci, William Blake, Buckminster Fuller e Jodorowsky são adeptos das múltiplas expressões, mantêm sua mente e espírito joviais ao criarem de forma ampla e irrestrita nas múltiplas vertentes de expressão artística! Acredito que quem domina uma arte, domina todas as artes! Portanto estou sempre aberto a criar nas mais diversas formas de expressão, desde a poesia, passando pelo desenho, pintura, escultura, música e chegando à arte conceitual e web arte. Para mim a arte é a maior de todas as ciências e também o maior canal mágico existente, a arte permite um diálogo amplo e irrestrito entre todos os assuntos e temas e ela fala diretamente ao inconsciente universal que existe no íntimo de cada ser por trabalhar diretamente com símbolos. Quando estou criando, estou realizando atos rituais de conexão profunda com o cosmos, o meu processo criativo é para mim a forma mais profunda e legítima de magia ritual! O Posthuman Tantra é uma das dimensões de minha arte ritualística e nasceu durante os estudos de meu Ph.D em artes na Universidade de São Paulo (Brasil), é a dimensão sônica de minhas visões pós-humanas.

4- Você tenta expandir sua consciência a níveis mais altos com seu próprio universo ficcional baseadondo-se em suas experiências e aprendizados nesse nosso mundo mundano?

Ao longo dos anos os meus rituais de criação artística têm me mantido em contato íntimo com a essência universal, através da criação contínua e tendo o amor libertário pelo cosmos como base para meus processos criativos, tenho percebido gradativamente um aumento de minha doçura interior, de meu respeito por todas as criaturas. Ao vislumbrar outras esferas e universos paralelos em meus transes artísticos percebo a limitação de nossos 5 sentidos eleitos pelo cartesianismo-materialista como a base única para a compreensão dos fenômenos. Tenho percebido também a importância dos opostos complementares, das energias positivas e negativas que devem harmonizar-se e que a doçura pode conviver em um espírito forte. Respeito os dois caminhos: o do místico (que abdica da vida em função da busca da transcendência) e o do ocultista (que busca essa transcendência na sua vida cotidiana). Mas sou um ocultista que tem na arte o processo alquímico. Busco um ideal de “santo civil“, conceito do artista e ocultista Alejandro Jodorowsky – que se resume na idéia de ter uma vida normal, mas buscar internamente ajudar as pessoas, e todos os seres vivos na busca por seu equilíbrio e harmonia, desenvolver o conceito de amor incondicional, numa perspectiva que reúna a idéia de amor ao próximo e amor sob vontade de avatares como Jesus, Buda e Crowley. Obviamente sofro também dos males do “ego” e luto constantemente para livrar-me do apego materialista e da sedução publicitária que conecta felicidade à obtenção de coisas.
Na verdade minha arte é uma magia branca que fantasia-se de negra para combater a magia negra da publicidade (que trabalha para os monstros monetaristas das multinacionais) e camufla-se sempre como magia branca, coisificando o mundo.

5- O álbum “Neocortex Plug-in” é uma dimensão mágicka eclética no qual todas as possibilidades estão abertas criando um vórtice de natureza múltipla, sempre dinâmica e fluindo em todas as direções. Como cada uma das músicas foi gerada para ele?

A temática de todas as músicas de “Neocortex Plug-in” envolve o embate entre os possíveis caminhos da nossa relação com os avanços tecnológicos e a transcendência. O álbum sofreu forte influência conceitual da obra de artistas visionários que refletem sobre a iminente condição pós-humana, como Orlan, H. R. Giger, Mark Pauline, Natasha Vita-More, Stelarc, Roy Ascott, Diana Domingues, Eduardo Kac, David Cronenberg, e alguns aspectos de movimentos como The Extropy, Transhumanism & Immortalism. Já a visão tecno-transcendentalista é inspirada por pensadores como R.A.W., Terence McKenna, Buckminster Fuller, Teilhard de Chardin, Aldous Huxley, Madame Blavatsky, John C. Lilly, Tim Leary, Giordano Bruno, John Dee, Gurdjief, A.O.Spare, William Blake, Rupert Sheldrake, Ken Wilber, P.K.Dick, Crowley, Stanislav Grof, Alejandro Jodorowsky, Alan Moore, entre outros.
Toda a concepção lírica de Neocortex Plug-in parte do universo ficcional da “Aurora Pós-humana”, apresentando múltiplas possibilidades para esse futuro hipertecnologizado. Aliadas a esses aspectos ficcionais eu incluo minhas investigações e experiências de transcendência e tecnognose, além de minhas buscas como magista caótico. Cada faixa envolve um conceito principal dentro desse contexto. Abaixo destaco os conceitos que engendraram os aspectos líricos e sonoros de algumas faixas presentes no álbum:
The Omega Neocortex: Faixa que abre o CD, com forte clima onírico & transcendente. Música instrumental na qual tentei capturar a essência da proposta do visionário Teilhard de Chardin, ele anteviu o surgimento de uma rede global que conectaria a consciência de todos os homens e seres vivos do planeta, chamou essa rede de “Noosfera”. Quando ela estiver completa Gaia acordará como um planeta consciente e nós seremos seus trilhões de neurônios, neurônios do grande “Neocortex ômega de Gaia”.
Visions From The Abyssal Neurogenetic Circuit: Faixa instrumental baseada nas possibilidades de transe através de realidades virtuais computacionais, transes tecnológicos semelhantes aos dos enteógenos. Transes que poderão fazer com que alcancemos as verdades universais através de nosso circuito neurogenético (presente no DNA). Trata da possível descoberta da consciência cósmica com auxílio da tecnologia. É inspirada nas reflexões de Roy Ascott & Robert Anton Wilson.
Glorification of our Nanotechpain: Música densa e obscura com várias participações vocais (entre elas a de Kenji Siratori – escritor cyberpunk Japonês & Mike, mentor da banda suíça TransZendenZ). O conceito que a engendrou trata das ameaças possíveis como a criação de nanorobôs que inicialmente serão gerados para erradicação de doenças, mas depois passarão a ser produzidos em larga escala de forma clandestina para inocular novas doenças e fazer uma poderosíssima indústria farmacêutica do futuro lucrar com a venda de “nanorobôs antídoto”. É o continuísmo, a alta tecnologia aliada ao velho mercantilismo e egoísmo humano.
Downloading my Universal Conscience Through Cyber Pulmonary's Pranayama: A técnica milenar do “Pranayama” utilizada em conexão com os novos dispositivos de imersão em realidades virtuais objetivando o alcance da consciência universal. É mais uma faixa tecnognóstica que propõe estas possibilidades.
Biotech Antenna to Receive Morphic Resonances from the Mu Continent: Esta faixa - que funde atmospheric, noise e industrial em sua sonoridade - trata de implantes biotecnológicos, unindo chips de silício a conexões neuronais. A criação de dispositivos tecnológicos que simulem realidades vegetais e possibilitem uma ligação neuroatómica com os circuitos ancestrais da humanidade, bebendo do conhecimento das primeiras raças cônscias que habitaram o planeta Terra, como a raça do extinto continente de Mu, descritas por Madame Blavatsky. Também envolve o conceito de “ressonância mórfica” definido pelo biólogo inglês Rupert Sheldrake.
My Eternal Avatar: Uma criatura digital que nos represente em um mundo de realidade virtual poderá viver eternamente, continuar existindo, carregando nossas memórias e desejos mesmo depois que nosso corpo biológico fenecer. É a faixa mais antiga do álbum e também a mais curta, foi a primeira que gravei, trabalhei em meus vocais por algum tempo para chegar à textura que desejava.
Hymn in Praise of the New Hyper Conscience Receptacles - The Flesh Rottens and Disappears, Image and Memory Still Remain: Às vezes sentimos uma estranha distância entre o que fomos no passado e o que somos agora. Olhamos fotos, ouvimos nossa voz gravada e não nos reconhecemos. A cada sete anos nossos átomos são substituídos completamente, nossa matéria não contém mais nada do que éramos, mas a memória permanece e nos dá identidade. Se conseguirmos transplantar essa memória e a mente com sua rede de ressonâncias mórficas universais, poderemos viver eternamente. Talvez seja minha faixa preferida de todo o álbum, abre com uma gravação que recuperei de uma velha fita cassete, eu e meu pai conversando no ano de 1976, eu tinha 5 anos de idade. Fecha com minha mãe entoando uma das canções que adorava cantar quando eu era criança. No meio dela ainda incluí as risadas de minha esposa – uma das coisas mais agradáveis do mundo para mim. Não consigo escutar essa faixa sem me emocionar.

6- Fale-nos um pouco sobre o videoclipe incluído em “Neocortex Plug-in” e quais foram suas necessidades expressivas de utilizar-se de um recurso multimídia para expressar a essência do álbum?

Este trabalho não é um videoclipe comum, trata-se de uma espécie de história em quadrinhos eletrônica que envolve interação reativa com o usuário para que ele possa fruí-la na íntegra. É um trabalho que envolve múltiplas formas de minha expressão artística, o desenho, a animação, a música e a poesia, uma produção multimídia que realmente sintetiza a proposta do álbum. Game-o-tech 2.0 é uma faixa interativa criada a partir de meus desenhos e montada no software Flash, no trabalho contei com o auxílio do web artista Fábio FON e ainda com participações especiais na guitarra e vocais. O título é um trocadilho/neologismo – utilizando o termo “brinquedoteca” e trocando o “Q” pelo “G”, criando Game-o-tech, no qual as letras G, T, C & A fazem referência explícita às bases de nucleotídeos do DNA - guanina, timina, citosina e adenina. Já o 2.0 refere-se a essa nova versão de uma brinquedoteca infantil – um playground pós-humano.
No trabalho as criaturas híbridas “humanimais” e os andróides são apresentados como produtos, objetos vivos patenteados para servirem como brinquedos para as crianças nesse contexto futuro. As brincadeiras desse novo playground são sádicas e cruéis, envolvendo sofrimento e dor das criaturas vivas – meros objetos de diversão para seus interlocutores – eles metaforizam os brinquedos tecnológicos contemporâneos, sobretudo o universo dos games de computador tão repleto de violência sanguinolenta coreografada.
A destruição sádica dos avatares inimigos nos games é substituída na brinGuedoTeCA pela vivissecação dos novos brinquedos biotecnológicos patenteados pelas multinacionais. As antigas coreografias virtuais tornam-se novas experiências de crueldade divertida para essas crianças de moralidade reestruturada pelos processos tecnológicos. No final o prazer do poder sobre as “vidas híbridas coisificadas” confunde-se com um orgasmo.
O trabalho reflete sobre a aceleração da coisificação da vida através dos processos de criação e patenteamento de seres vivos híbridos, trata também de possíveis reestruturações na ordem moral e ética humana a partir dos ditos avanços tecnológicos.

7- Sabemos que o primeiro álbum do POSTHUMAN TANTRA, “Pissing Nanorobots”, teve inspiração e influência de alguns filmes de David Cronenberg. Em quais filmes do diretor Canadense você inspirou-se para capturar a essência dos conceitos criativos do CD?

Pissing Nanorobots foi o primeiro CD do Posthuman Tantra lançado de forma independente em 2004. O trabalho foi concebido como uma reflexão conceitual sobre as possíveis sexualidades renovadas e reformatadas no contexto da “Aurora Pós-humana”, incluindo 14 faixas. Em meu universo conceitual pós-humano a evolução tecnológica e da consciência possibilitou a migração psicossexual dos desejos da atual era Freudiana - estruturada sobre traumas e tabus sexuais, além dos desejos reprimidos -, avançar para uma era Junguiana - acesso ao inconsciente das espécies -, e finalmente mergulhar em uma era Grofiana (Stanislav Grof), caracterizada pela penetração no inconsciente universal. Mas nos estágios iniciais de aceleração tecnológica a sexualidade em transformação produzirá novas perversões e múltiplas insanidades como robô-copulações doentias, a criação de andróides escravos sexuais e a degeneração de alguns humanos que vibram só nas baixas freqüências. Ao longo das décadas a liberação sexual pós-humana terá resultados positivos, pois liberará a humanidade do estigma Freudiano.
No contexto do meu universo ficcional da “Aurora Pós-humana” a sexualidade das criaturas é a mais variada e iconoclasta. Imagine que existem os mais diversos humanimais, como híbridos de mulher e golfinho, homem e cavalo, e todos podem ser hermafroditas, possuindo múltiplos órgãos sexuais masculinos e femininos. Você pode colocar um pênis de asno em sua testa e sua parceira uma vagina de baleia entre os olhos. Na “Aurora Pós-humana” a genética está tão avançada que consegue produzir essas aberrações e irrigá-las, além de gerar novas conexões neuronais múltiplas, ampliando a região cerebral responsável pelo orgasmo. Os tabus e taras sexuais podem ser quebrados e vividos livremente. No contexto de meu universo essa total liberação sexual propõe que as amarras sexuais nunca foram um problema real, toda a moral era simplesmente um bloqueio ancestral baseado em dogmas arcaicos. E com a liberação e realização completa dos desejos sexuais as criaturas podem finalmente concentrar seu pensamento e desejo em uma verdadeira evolução da consciência na busca da transcendência.
O álbum Pissing Nanorobots parte dessa concepção de sexualidades pós-humanas como conceito instigador para a geração das músicas, faixas como Cum Nanochips e Cloneborg Chamaleon’s Body traduzem em sons industriais ambientais as múltiplas formas de copulação nesse contexto ficcional pós-humano. A faixa Penetrate the Virgin Bioport é um tema deliberadamente criado com inspiração no filme eXistenZ (Canadá, 1999) do cineasta canadense David Cronenberg, nele, a “bioborta” é um orifício aberto na base da coluna vertebral para receber o plugue de um game biológico que é alimentado a partir do sangue do jogador que flui através dele. No filme a bioporta tem esse duplo sentido, ao mesmo tempo que abre a conexão para esse mundo de ilusões virtuais também é um novo orifício corpóreo com conotações sexuais, algo como um segundo ânus. Existe algo de grotesco e ao mesmo tempo curioso nessa fascinação de Cronenberg por orifícios tecnológicos, uma espécie de tecnofetichismo que também aparece em outro de seus grandes filmes Videodrome (Canadá, 1983). Penetrate the Virgin Bioport é uma elegia musical inspirada por esse fetichismo pós-humano. Também em Pissing Nanorobots existe outra homenagem explícita a Cronenberg, a faixa Allegra Geller’s Memorial, composta em memória da programadora de jogos do filme eXistenZ que se chama Allegra - em um de seus jogos você literalmente é Deus, esse é o seu papel no game - uma estranha e brilhante proposta de neo-transcendência, viver como Deus em um universo de realidade virtual, passar toda sua vida lá, numa matrix divinatória.

8- Você poderia nos dar sua opinião sobre os seguintes assuntos: realidades virtuais, robótica, hermafroditismo, hipertecnologia, tecnofetichismo e de que maneira esses elementos poderão auxiliar-nos no sentido de alcançarmos níveis superiores de consciência através de sua exploração nos próximos milênios?

Vou tratar brevemente de cada um dos assuntos propostos por você:
As realidades virtuais aliadas à experiências com as antigas realidades vegetais (transcendência através do uso de enteôgenos, as plantas de poder como a Ayahuasca) e aos transes artísticos podem abrir portas para uma compreensão mais ampla e dinâmica de nosso lugar no universo.
Através da robótica, da criação de próteses biônicas e biorobóticas e de processos de substituição de órgãos e sistemas do organismo de base carbônica, vamos aos poucos percebendo como nossa essência vai muito além do corpo físico-material, finalmente quanto chegarmos ao momento da tecnologia da transbiomorfose – transferência de nossa consciência e memória para um biochip, perceberemos como somos criaturas imateriais e imortais.
Ao transmigrarmos para um corpo biotecnológico híbrido teremos a chance de experimentarmos os múltiplos aspectos da sexualidade, sermos hora Yin, hora Yang, resgatando o hermafroditismo de uma das primeiras raças da Terra, segundo a cosmogonia de Blavatsky. Poderemos ter os opostos complementares novamente em uma única criatura. Seria uma excelente oportunidade, uma poética viva! È sempre bom lembrar que isso poderá vir a realizar-se caso a idéia de lucro não contamine toda a evolução biotecnológica e a transforme em mais um produto do monetarismo egóico.
A idéia de technofetichismo pode chegar a um ponto glorioso que irá finalmente resolver todas as doenças e taras sexuais que foram impressas no inconsciente coletivo da espécie humana nos últimos 5 milênios, quando tivermos os primeiros biobots hipertecnológicos que imitem com perfeição o humano, teremos a chance de realizar todos os obscuros desejos sexuais que existem em nosso ID e expurgar de vez esses desejos tornando-nos puros, pois para que ocorra a transmutação é preciso descermos o mais fundo no abismo do self!
Tudo isso são conjecturas, possibilidades que vislumbro, mas existem linhas de realização múltiplas, o destino de nossa espécie depende verdadeiramente de nossa compreensão do todo, de nossa reconexão com o universo, se essa compreensão frutificar a tempo, teremos chance de experimentar verdadeiramente o êxtase divinatório através dos processos tecnológicos.

9- Por favor, fale-nos um pouco a respeito de seu projeto musical chamado POSTHUMAN WORM e das relações sexuais copulativas entre humanos e robôs tratadas por ele?

No Japão os robôs de companhia estão sendo desenvolvidos e existe uma grande preocupação em duplicar expressões humanas neles, fazê-los quase humanos, ou seja, humanóides. Mas na falocracia norte americana a maioria dos robôs continuam inumanos e burros, monstros metálicos feitos para a guerra. Na “Aurora Pós-humana” é do extremo oriente que surgem os primeiros escravos sexuais pós-humanos, robôs como no filme A.I. (2001, EUA, Spielberg & Kubrick). Em minha ficção, nos primórdios transumanos ainda existe uma grande resistência à clonagem e criação biotecnológica, portanto as bonecas biotecnológicas sexuais – de carne e osso – mas com o cérebro positrônico, surgem apenas em uma segunda fase. Em minha FC tento projetar-me no futuro, realizar um verdadeiro salto quântico para vestir a pele desses seres que habitam um mundo hipotético, ao mesmo tempo refletir metaforicamente sobre a realidade contemporânea da imbricação homem-tecnologia. Eu coloco um pouco de mim e de todos os meus questionamentos, incertezas, vicissitudes e contradições em cada um de meus seres, minhas personagens são múltiplas frações de minha alma, retratos fractais holográficos daquilo que está no meu interior.
O “Posthuman Worm” é um projeto paralelo com o qual já realizei alguns poucos CDs, esta segunda banda é um agressivo e furioso manifesto minimalista “sci-fi cyber gore” no qual a temática é resumida a sexo pervertido e inimaginável entre as criaturas pós-humanas na fase primeva de degenerescência sexual que advirá inicialmente com o avanço tecnológico.
No projeto eu tento imaginar as mais pútridas e grotescas formas de robô-copulação e transas entre híbridos humanimais, também mostro humanos “normais” se encontrando com essas criaturas para realizar suas fantasias doentias. Esse projeto refere-se ao nigredo alquímico, o fundo do poço mais abissal a que a humanidade deverá chegar para assim finalmente iniciar sua ascensão para a verdadeira consciência cósmica. Para mim é um repositório de meu lado obscuro, minha faceta mais cruel, sanguinária e doentia, eu a expurgo e purifico minha essência criando essas músicas e imaginando essas aberrações. É um exercício criativo catártico poderoso. Todos nós devemos conseguir balancear bem os opostos complementares de nosso ID, para que exista o Posthuman Tantra – a cada dia mais tecnognóstico – é necessário existir o Posthuman Worm – o lado podre e obscuro de minha alma. Eis aqui o título de algumas músicas do POSTHUMAN WORM e o seu significado:
Cyborg Siamese Real Doll Penetration – A faixa propõe uma cópula alucinada de um humano com uma boneca ciborgue no estilo das “real dolls”, só que nesse caso trata-se de uma “siamese real doll”, isto é, uma boneca ciborgue gêmea siamesa em que as irmãs são pregadas pelos lados de forma invertida, assim enquanto ele transa com uma pode ir fazendo cunilinguis na outra...uma perversão realmente insana.
Dog Human Transgenic Girl – Essa simplesmente relata uma transa sensual com uma garota híbrida de cadela e humana, com uma enorme língua e um rabo que fica acariciando o parceiro...
Fucking Fat Hole With Bionic Killer Dildo – Essa apresenta um robô escravo sexual atendendo os desejos de sua dona humana obesa de 180 kg e utilizando uma espécie de pênis biônico de grande performance para satisfazê-la durante horas ininterruptas.
Veja que tudo é realmente levado aos limites do impossível, um mergulho completo nas taras obtusas do reprimido e doentio mundo da fase Freudiana em que vivemos. Ao transformar minha fase freudiana em arte eu purifico um pouco mais o meu espírito, expurgo de forma lúdica essa faceta.

10- Os sonhos são portais para a infiltração de entidades de dimensões estelares, e a utilização de intercursos sexuais entre nós e essas entidades são um caminho para obtermos certo conhecimento, a esse respeito podemos citar as experiências de Spare e Crowley – só para nomear alguns. Você mantém contato com essas distantes forças alienígenas ou você pensa que são manifestações de nosso subconsciente?

Eu tenho contato contínuo com essas entidades através de meus transes artísticos e prefiro não definir a sua procedência – como ETS, espíritos extra-dimensionais ou aspectos de meu inconsciente – pois se decidir acreditar em uma dessas hipóteses estarei eliminando as demais e transformando as experiências em dogma. Prefiro simplesmente viver essas experiências fantásticas livremente e tentar transcender a outros níveis de consciência através do contato íntimo e efetivo com esses “seres”, independente do que eles sejam, sem a necessidade cartesiana de nomeá-los, classificá-los.

11- Você trata de um caminho de desenvolvimento da consciência planetária a altos níveis, quando todas as mentes estarão conectadas em uma forma de hiperconsciência chamada Gaia. Como você avalia o atual processo de desenvolvimento da humanidade, sabendo de suas limitações mentais e temores criados por ilusões como a religião e a política?

Essa é uma questão complexa, Teilhard de Chardin vislumbrou o surgimento da Noosfera, uma teia que conectaria todas as mentes do planeta e que resultaria em uma forma de singularidade, uma mente holotrópica, uma hiperconsciência global. Alguns pensadores como o francês Pierre Lévy, o canadense Derrick de Kerchove e o inglês Roy Ascott apontam, de certa maneira, a Rede Internet como essa forma emergente de consciência planetária em processo de expansão. Em certa medida eu acredito nisso e espero que o caráter libertário, anti-monetarista e fraterno da rede resista aos constantes ataques do capital que está abalado totalmente em suas estruturas. Veja só o caso da grotesca indústria do entretenimento que transformou toda arte em produto: eles estão ruindo, pois a arte flui livremente na rede, é de todos e para todos. Em sua essência a Internet implode a idéia de capital – é uma tecnologia que parece ter surgido na ânsia tecnocapitalista de lucro, no entanto está totalmente na contramão dessa ideologia, é anárquica e libertária. Mas a batalha será árdua e eu acredito nos hackers, os verdadeiros anjos sagrados da web que lutam para mantê-la pura e não corrompida pelo lucro. Se o caráter anárquico-libertário da rede prevalecer, certamente assistiremos o surgimento da noosfera e esse dilúvio informacional irá corromper a frágil estrutura dogmática arcaica e reducionista da religião, da política e da economia – dogmas podres que a pós-humanidade transcendente terá orgulho de ter enterrado no passado!

12- Algum novo material esperando para ser gravado ainda? Fale-nos um pouco sobre a série de CDs gravados em parceria com a banda francesa MELEK-THA? Algum outro trabalho colaborativo no futuro? Talvez com o meu projeto EMME YA?

Sim, no momento o novo álbum do Posthuman Tantra está sendo masterizado na Suíça, a expectativa é que ele seja lançado em breve. É o meu trabalho mais ousado e criativo, contará com 14 músicas e uma faixa interativa que inclui um videoclipe inédito e ainda um novo e-comic nos moldes de Game-o-tech. O título do novo álbum é “Transhuman Reconnection Ecstasy” e os conceitos de tecnognose e reconexão cósmica foram trabalhados de maneira mais refinada ainda em todos os aspectos, da capa, passando pelas letras e chegando à música.
Sobre a continua parceria do Posthuman Tantra com o Melek-tha (França), a obra mais ousada até agora foi a "Quadrilogia Kelemath", um extenso trabalho de criação musical e imagética que durou 3 anos para ser desenvolvido. Uma quadrilogia composta por quatro "boxes", cada uma delas incluindo 3 CDs musicais e ainda cards e adesivos especiais e exclusivos. O conceito que gerou a quadrilogia trata de uma invasão alienígena à Terra durante um período de grande avanço tecnológico do planeta e também enorme deterioração da moral e caráter humanos. A raça extraterrestre híbrida provinda de Sirius - do planeta KELEMATH, chega à Terra com o objetivo de destruir por completo a espécie Humana e as subespécies Extropiana & Tecnogenética. A saga contada nas 4 boxes através da música industrial ambient criada pelas bandas dura mais de 12 horas e conta com mais de 25 cards exclusivos criados por mim para ilustrar a invasão, com criaturas alienígenas e imagens simbólicas da dominação. A terceira caixa conta ainda com um vídeo de 30 minutos editado com minhas ilustrações & imagens que Legeune Ludovic criou para a saga. A quadrilogia é composta pelas "boxes" : "Legion From Kelemath" (2005), "Doctrines From The Kelemath New Empire" (2006), " Drums of War" (2007) e "Alien Emperor Eternal"(2008). Além desses trabalhos também realizei em parceria com o Melek-tha a Box Set “Asylum of Slaves” (2007) e o álbum duplo “Necronomicon Gnosis – HP Lovecraft Serie”.
No início de 2009 foi lançado pelo selo brasileiro Sonoros Records o 3”EP “Nanobots Remixed”, parceria entre o Posthuman Tantra e o Sobota; e em agosto de 2009 foi lançado pelo selo inglês Black Pyramid Records o 3” EP “Transbiomorph’s Necronomicon”, parceria entre o Posthuman Tantra e a escritora e ocultista polonesa Asenath Mason – que coloborou gravando suas vozes e escrevendo algumas letras.
Sua compreensão dos objetivos transcendentes do Posthuman Tantra através dessas questões faz com que uma futura parceria entre nossos projetos seja algo muito bem vindo! Vamos conversar a respeito!

13- Bem Edgar, essa é uma entrevista breve e informativa sobre os mais relevantes aspectos de sua obra e do POSTHUMAN TANTRA.

Sim, meu amigo Kerval, você demonstrou um entendimento amplo da proposta do Posthuman Tantra e suas perguntas foram algumas das mais inteligentes e sensíveis que já respondi! Muito obrigado e um abraço pós-humano a você, a todas as criaturas e espécies desse universo e de todos os demais universos paralelos.

RSS

© 2017   Created by Umbra.   Powered by

Report an Issue  |  Terms of Service